quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Inferno; Dan Brown

No meio da noite, Robert Langdon acorda de um pesadelo, no hospital. Desorientado e com um ferimento à bala na cabeça, ele não tem a menor ideia de como foi parar ali. De repente, percebe que está em Florença e que, na verdade, não tem nenhuma recordação das últimas 36 horas.
De posse de um misterioso objeto que Sienna, uma jovem médica, encontrou no paletó de Langdon, os dois têm de seguir uma série inquietante de códigos criada por uma mente brilhante, obcecada tanto pelo fim do mundo quanto por uma das maiores obras-primas literárias de todos os tempos: A Divina Comédia, de Dante Alighieri.
Foi o primeiro livro do Dan Brown que eu li e gostei muito, eu esperava bem menos do livro então algumas coisas me surpreenderam bastante.
Li esse livro já faz um tempinho então provavelmente eu vou esquecer de comentar alguma coisa...
Primeiro, o negócio do vírus... gente, isso deu uma agonia. Porque tem coisas que são verdades junto com informações falsas, ai você pensa melhor na população, percebe que tem um aumenta nas pessoas do planeta e já vem a teoria na sua mente.
Eu fiquei o tempo todo pensando: "E se alguém realmente resolver fazer isso?"; que louco. Dá medo mas ao mesmo tempo é... fascinante (?).
Eu concordei com tudo o que o cara falou, a teoria da população, achei até certo e bom para a população o vírus, tem uma parte interessante nesse negócio todo mas ai eu penso melhor e volto atrás... É complicado.
Sobre FS-280, provavelmente alguém percebeu antes de mim quem era, conseguiu perceber mas a "ficha" só foi cair no final do livro, quando tem um capítulo (pág. 276) que é igual a um outro capítulo (pág. 342)...
Antes disso, eu achava que tinha um caso homossexual ali, não vou mentir. Aquele cara apareceu do nada então é suspeito. -q  (espero que quem leu tenha me entendido)
É isso ai, eu gostei do livro e espero trazer mais resenhas dos livros do Dan.
Até.

Nenhum comentário:

Postar um comentário